Make your own free website on Tripod.com
 
Cabecalho
   
 



Você é o visitante número



Página Inicial

Autor

Apresentação

Carta de Dissociação

Cartas

Fotos

Notícias

Relatos e Experiências Pessoais

Artigos

Livro de visitas

Links p/ outros "sites"

 

Como vai Beto - Resposta


Nota: E-mail enviado por Orlando [orlandocentral@bol.com.br] em 16/11/2001. Preservei o layout original, alterando apenas o fundo e a cor da fonte. Minha resposta está na cor verde-limão.

     Caro Orlando: Agradeço pela visita à minha Home Page e por ter me enviado a sua mensagem. Estou respondendo nas entrelinhas para facilitar a compreensão dos leitores.

 

Como vai Beto, eu estive lendo a sua história na internet, e pude observar que uma coisa você tem de bom:

     Beto - Bom, fico feliz que você achou “uma coisa de bom”. Geralmente, as TJ’s não acham nenhuma! ;-D



Você é um dos poucos que falam contra as testemunhas de Jeová, que mostra o rosto e diz quem é. Sem Ter medo das conseqüências que poderão Ter sobrevir.

     Beto - Não encaro expor o meu ponto de vista e relatar as coisas que me aconteceram como “falar contra”. Essa é a minha história do modo como eu a senti. Não tenho motivos para me esconder e muito menos para temer as conseqüências, uma vez que minha situação está muito bem definida com relação à organização e, como diz o ditado: “quem não deve não teme”. Por que deveria ter medo se estou falando a verdade?



Mas uma coisa deixou-me intrigado, meu caro Beto, observei que você sai cuspindo fogo por causa de algumas situações que aconteceu com você no decorrer dos anos dentro das Testemunhas de Jeová, e não expôs o real motivo de sua saída da organização, por que você não diz o que realmente aconteceu e não diz meias verdades.

     Beto - “Cuspindo fogo”? Por que? Porque relatei francamente os fatos que ocorreram comigo ao longo de quase três décadas dentro da organização? Essas situações que foram relatadas foram apenas algumas, para exemplificar que tipo de coisas ocorrem dentro de alguns Salões do Reino. Ainda há muito mais para ser relatado e será no devido tempo. Creio que a parte final do parágrafo foi mal formulada, você fez afirmações quando talvez quisesse formular uma pergunta. Por que o caro leitor diz que eu não relatei o que realmente aconteceu? Onde foi que eu disse “meias verdades”? Em que base me faz tais perguntas?



Bem você com um ex-ancião sabe muito bem, que quando surge uma questão sobre algum assunto que precise de uma comissão judicativa precisamos saber os dois lados da historia para tiramos uma conclusão correta e não sermos precipitados em julgar os outros só porque um fala e pronto e acabou, e você como uma pessoa inteligente, observou que sua página na internet é pouco visitada por causa disso, você fala mal, mas não dá provas do verdadeiro motivo que o levou a tal atitude contra algo que pregava ser a verdade e ate se dedicava o máximo de sua vida.

     Beto - Em Mateus 18:15-18, Cristo forneceu orientações divinas a respeito de como resolver problemas sérios entre duas pessoas. No segundo passo (depois de tentar resolver em particular com o ofensor), ele orienta que se deve tomar uma ou duas testemunhas, justamente para o caso de se ter de dar o terceiro passo, que seria levar o assunto à congregação (anciãos, na interpretação da STV), para que se ouvisse os dois lados e as testemunhas atestassem a veracidade das declarações. Comento isso porque achei interessante você mencionar as comissões judicativas, que não possuem base bíblica para serem realizadas como são dentro da organização e para mostrar que é justo, segundo nosso exemplo maior, Cristo, se ouvir todos os lados da questão. O meu lado está sendo apresentado em minha Home Page, que está aberta para que o(s) outro(s) envolvido(s) na questão se manifestem. Dei os nomes das pessoas, o nome da congregação, a cidade, o estado... Até hoje, não obtive sequer uma tentativa de resposta às minhas questões. Não pretendo que alguém chegue a uma conclusão “ouvindo” apenas o “meu lado” da história, mas se o outro lado não se manifesta...
Não me preocupa o fato da HP ser “pouco visitada” (embora ache isso muito relativo; para uma página com pouco mais de dois meses de existência, para mim o resultado tem sido muito positivo), as TJ’s são uma minoria e as pessoas que se interessam pelo assunto também. Ademais, existem muitas páginas maiores e melhores que a minha, com inúmeros artigos, provas documentais, depoimentos, fatos, que comprovam quais os motivos que levam muitos a saírem da organização. A minha HP foi apenas mais uma colocada no ar para ajudar as pessoas a analisarem sua situação pessoal e verem que não estão sós. Mostrei o “meu rosto”, para que vejam que sou uma pessoa real, comum e com os mesmos problemas que muitos que estão dentro da organização, e que existe sim vida fora dela.
Não entendo o que você chama de “falar mal”. Apenas relatei a minha experiência, a minha vivência e os meus problemas dentro da organização. Isso é falar mal? Que provas deixei de dar quanto aos motivos PESSOAIS que me fizeram deixar a organização? Até hoje ninguém, da congregação que eu freqüentava contestou as minhas declarações. E, como você mesmo trouxe à atenção, precisam provar que as minhas alegações são falsas.



Então Beto qual é a verdade a seu respeito?

     Beto - Mais uma vez o leitor insinua que falto com a verdade. Mais uma vez eu pergunto: em que base? Dispõe de fatos, versões ou mesmo alegações a respeito do assunto? Em caso afirmativo, apresente-os abertamente aqui neste espaço que, pretendo, será sempre democrático e livre.



Por que abandonou a organização?

     Beto - Porque tenho a mais absoluta certeza de que ela não é o que afirma ser, a organização de Deus. As evidências são inúmeras (você já leu o livro Crise de Consciência, de Raymond Franz? Conhece a história dele? Já ouviu falar de Ed Dunlap, Peter Gregerson? Já visitou os sites cujos links se encontram em minha HP?), mas a mim me basta a minha experiência pessoal. Interessante é que sinto ter hoje uma verdadeira e pessoal relação com Deus, coisa que antes não ocorria!



E se você diz que dentro da organização não tem amor, devido ao que aconteceu com você, onde podemos encontrar o amor que Jesus ensinou ?

     Beto - Notei a falta de amor não só pelo que aconteceu comigo, mas principalmente pelo que vi acontecer com outros. Foram inúmeras as ocasiões em que presenciei esta falta de amor, principalmente nas várias comissões judicativas das quais infelizmente participei. Podemos encontrar o amor que Jesus ensinou em pessoas de todas as denominações religiosas, até mesmo em ateus. Basta que tenham realmente aprendido esse amor. Conheço ateus que são mais “cristãos” do que muitos que freqüentam as várias igrejas chamadas cristãs, inclusive muitas TJ’s que conheço pessoalmente. Conheço muitas TJ’s fantásticas, excelentes pessoas, das quais sinto falta, como também conheço excelentes pessoas que não professam religião alguma. Também conheço muitas pessoas que não valem o que comem e algumas delas professam ser TJ’s. Assim, não creio que seja prerrogativa de alguma organização ou denominação religiosa o amor que cristo ensinou, mas sim dos que são realmente cristãos, no seu íntimo, como pessoas individuais, que adotam o cristianismo como seu modo de vida.



Saudações Beto, espero que responda este e-mail. Não quero magoar você, e nem tirar o seu mérito, pois como eu, você também sabe que somente Jeová julgará que é merecedor de Ter Vida Eterna.

     Beto - Nunca fiquei magoado com a sinceridade e a franqueza de ninguém e espero que também não fique com a minha. E confio totalmente no julgamento Dele, aliás, é o que me tranqüiliza.

     Agradeço por ter visitado a minha HP.

 

Rainer Windsor [Beto]




Separador

 Página Inicial   Autor   Apresentação   Carta de Dissociação 

 Cartas   Fotos   Notícias   Relatos e Experiências Pessoais 

 Artigos  Livro de visitas   Links p/ outros "sites"

Para me contatar mande uma mensagem para:
paraperp@gmail.com