Make your own free website on Tripod.com

Brasil

 Sites relacionados



 Notícias por e-mail
Brasil
Quinta, 14 de dezembro de 2006, 22h08 
Testemunha de Jeová recusa transfusão e morre
Fabricio Escandiuzzi
Direto de Florianópolis
Busca
Saiba mais na Internet sobre:
Faça sua pesquisa na Internet:

A Polícia Civil de Florianópolis instaurou inquérito para investigar a morte de uma jovem de 19 anos, Testemunha de Jeová, que não aceitou se submeter a transfusão de sangue. Ela morreu no início da semana, em decorrência de uma leucemia, num hospital da capital catarinense.

O caso está gerando polêmica sobre a ética dos médicos que respeitaram a autonomia da paciente e a fé. A jovem, que tem a identidade preservada pelos médicos e polícia, viveu um mês após descobrir que tinha leucemia.

Ao ser informada de que necessitava realizar uma transfusão de sangue, ela recusou o procedimento, assinando um termo de responsabilidade. Na igreja, descobriu que uma médica hematologista em Florianópolis, Zelita da Silva Souza, também Testemunha de Jeová, realizava tratamentos alternativos sem a necessidade de transfusão. Ela sobreviveu 20 dias no tratamento.

O caso gerou controvérsia entre a família da mãe, católica, e do pai, Testemunha de Jeová. O Conselho Regional de Medicina de Santa Catarina (Cremesc) tentou intervir, mas não conseguiu que a jovem se submetesse ao tratamento adequado, informou o presidente da entidade, Wilmar Athayde.

Ele explicou que foi aberta uma sindicância para apurar o caso e que outra comissão, formada por cinco médicos do Hospital Celso Ramos - onde morreu a paciente -, analisará o procedimento adotado com a jovem.

O diretor do hospital, Ranulfo Goldschmidt, negou que a paciente tenha recebido medicação alternativa na instituição. "Ela recebeu medicamentos usados na quimioterapia e em outros pacientes". Ele admitiu, entretanto, que a opção dos médicos em respeitar a paciente agravou seu quadro clínico.

O inquérito deverá ser concluído em 30 dias. De acordo com o delegado Marlus Malinverni, coordenador da Central de Polícia da Capital, as providências para apurar o fato estão sendo tomadas e as partes serão ouvidas. Através de nota, o Ministério Público informou que vai aguardar o resultado do inquérito para se pronunciar.

Redação Terra