Make your own free website on Tripod.com
 
Cabecalho
   
 



Você é o visitante número



Página Inicial

Autor

Apresentação

Carta de Dissociação

Cartas

Fotos

Notícias

Relatos e Experiências Pessoais

Artigos

Livro de visitas

Links p/ outros "sites"

Tradução da Carta de Apelação de Bill Bowen

Esta carta foi traduzida a partir do original postado no endereço:

 

http://www.watchtowerinformationservice.org/bowenappeal.htm

 

 

Carta de Apelação de Bill Bowen

 

 

29-07-02

Congregação Draffenville das Testemunhas de Jeová

 

Anciãos da Comissão Judicativa da:

Congregação Murray das Testemunhas de Jeová

Congregação Central City das Testemunhas de Jeová

 

Quaisquer outras congregações cujos anciãos tenham sido designados à minha comissão judicativa.

 

 

Prezados Irmãos,

 

 

Venho apelar da decisão de me desassociar. A razão é por causa de um erro no julgamento devido à maneira decepcionante na qual a comissão judicativa operou face à minha negativa enfática quanto a ter cometido algum erro. Não cometi nenhum pecado contra Deus ou contra a organização. A comissão judicativa falhou em arranjar uma testemunha ocular para apoiar suas acusações, portanto não têm nenhum caso contra mim. Conforme observarão de minha correspondência anterior, ao longo dos últimos 19 meses, eu me cansei de comunicar exaustivamente à organização sobre a necessidade de mudança na política da  STV relacionada ao abuso e também de solicitar um pedido de desculpas e/ou explicação para as sanções a mim dirigidas diretamente pelo Corpo Governante das Testemunhas de Jeová. Acho lamentável que qualquer ancião coopere com tais ações iníquas sob a direção deles. Para sua consideração ofereço as seguintes razões:

 

1.     Impor-me restrições na congregação sem qualquer acusação de  má conduta,      fazendo parecer à congregação que eu pequei de alguma maneira.

2.     Os representantes da STV dando várias palestras nas quais deixam a impressão de que sou mentiroso e que são falsas todas as acusações sobre as deficiências da política da STV relacionada ao abuso de crianças.

3.     A distribuição para a mídia, pelo Departamento de Informação Pública da STV de um vídeo no qual meu pai é coagido a me chamar de mentiroso, junto com Earl Norman e JR Brown.

4.     Proibição de ter designações na Escola do Ministério Teocrático e destituído como leitor de A Sentinela para dar a impressão para a congregação de que sofria sanções da comissão judicativa.

5.     Instruir a congregação de Draffenvile a ir de casa em casa e dizer ao público que eu sou um mentiroso.

6.     Proibir-me de trabalhar com a congregação no serviço de campo.

7.     Instruir os irmãos e irmãs de minha congregação a tratar-me como desassociado.

8.     Comentários enganosos para a mídia para criar a impressão para o público de que eu e outros advogados cometemos "pecados" contra Deus (uma deslavada mentira).

9.     Pressionar amigos Testemunhas a parar de trabalhar no meu negócio de velas devido aos comentários negativos da liderança da Torre de Vigia.

10.Informações enganosas afirmando não poder encontrar meu pedido de KM [N.T. – Ministério do Reino - publicação mensal gratuita distribuída a todas as Testemunhas batizadas], pedidos pessoais de literatura e de revistas que foram feitos por mim.

11. Anciãos me participando que eu não era bem-vindo nas reuniões.

12. Apoio aos molestadores de crianças, locais, dando-lhes privilégios na congregação.

13.Fiz inúmeras solicitações por escrito, pedindo auxílio para resolver as questões acima, mas o Corpo Governante os instruiu a ignorarem meu pedido de ajuda.

 

Conforme os irmãos sabem, baseei meus comentários em assuntos com os quais eu lidei pessoalmente, isto é, atitudes e ações que vi com meus próprios olhos e ouvi com meus próprios ouvidos. Se vocês assistiram ao Dateline e ao BBC Panorama, é claro que vocês puderam constatar em rede nacional a veracidade de minhas declarações, confirmadas com evidência factual dos próprios sobreviventes dos abusos. Se esses programas eram mentira, conforme a Torre de Vigia informou a diversos irmãos e irmãs, porque eles não moveram uma ação contra tais programas a fim de protegerem o seu bom nome? Jeff Steen está bastante consciente de que o que eu afirmei localmente é a verdade e ele participou das investigações e de minhas conversações com o Departamento de Serviço. E apesar disso, participa de uma comissão judicativa para desassociar-me? Que tipo de homem espiritual ele provou ser a si mesmo? Num tribunal, para ser justo e imparcial, certos procedimentos precisam ser seguidos. No tribunal das Testemunhas de Jeová, os procedimentos estão delineados no livro dos anciãos "Prestai Atenção a Vós Mesmos e ao Rebanho". Ao seguir as orientações do Corpo Governante, a comissão judicativa falhou em seguir na minha audiência as diretrizes escritas, portanto, o julgamento foi injusto e parcial. Forneço os seguintes exemplos:

 

1.     Programar uma audiência por escrito sem que a comissão judicativa comparecesse.

2.     Recusar-se a fornecer respostas para esclarecer questões relacionadas com a audiência, ignorando toda a correspondência.

3.     Não fornecimento de testemunhas oculares que refutassem minha afirmação de não ter cometido nenhuma ação errada.

4.     Realizar uma audiência judicativa secreta sem ter me informado a respeito.

5.     Ignorar uma segunda reunião, comunicada por escrito, sem expedir qualquer comunicado.

6.     Intimidar repetidamente por não atender minha solicitação respeitosa, no sentido de me fazer todos os comunicados através de meu advogado.

7.     Falha nas últimas audiências em fornecer uma descrição das acusações contra mim.

8.     Falha do presidente da comissão em mandar correspondência para o acusado conforme instruído no livro “Rebanho”.

9.     Devido às ações da comissão foi-me negado o direito de apresentar testemunhas a meu favor. 

10. Falha da comissão em programar horários convenientes e apropriados para a audiência utilizando estratagemas e avisos com pouca antecedência.

 

Acredito que essas ações, ignorando todos os procedimentos para essa audiência foi dirigida pessoalmente pelo Corpo Governante com o objetivo de silenciar o clamor pela adoção de medidas a favor das crianças. A comissão judicativa local não agiu a favor da retidão, mas ao invés disso, agiram como homens sem moral ou ética que simplesmente fazem o que se lhes manda. É um processo semelhante ao que ocorre quando um molestador de crianças é exposto na congregação, dirigido pelo Corpo Governante.

 

Quando todo este assunto começou, eu tinha a esperança de que homens justos se levantariam para proteger as crianças em nossa organização. Acreditava que alguns desses homens poderiam ser encontrados no Corpo Governante e que eles se  levantariam para impedir que continuassem as políticas que permitem que nossas crianças sejam estupradas. Ao longo dos últimos dezenove meses, ao invés de se provarem justos, os membros do Corpo Governante praticaram ações que  provam serem eles homens iníquos. É interessante notar o comentário feito na ilustração do Escravo Fiel e Discreto, em Lucas 12:43-45:

 

“Feliz é AQUELE  escravo, se o seu amo, ao chegar, o achar fazendo isso! 44. Eu vos digo verazmente: Ele o designará sobre todos os seus bens.  45. Mas, se AQUELE  servo chegar a dizer no seu coração: ‘Meu amo demora em vir’, e principiar a espancar os servos e as servas, e a comer e beber, e ficar embriagado.”

 

Como vêem, irmãos, na ilustração, o escravo é um homem com uma opção: ser bom ou iníquo. O Corpo Governante como líderes designados do Escravo Fiel e Discreto instituiu ações que “espancam” as crianças da organização. Quando qualquer pessoa pergunta a respeito, ela é “espancada” pela ameaça da desassociação, usada como meio para silenciar a ação apropriada em favor das crianças. “AQUELE escravo” se tornou mal quando feriu crianças. Desde 1992, o Corpo Governante foi objetivamente informado por um relatório escrito e encaminhado a cada membro, que as crianças estavam sendo estupradas em resultado da negligência da política da STV. Com grande iniqüidade e 23.000 molestadores de crianças mais tarde, até hoje eles se recusaram a agir. Minha carta de junho à Comissão de Serviço, solicitava uma solução para isto seguindo as diretrizes teocráticas dentro do arranjo organizacional, em 27 de setembro. O resultado? O Corpo Governante designa uma comissão judicativa para me desassociar ignorando todos os procedimentos para adotar tal medida. Vocês realmente acreditam que podem ter o espírito de Jeová e seguir as ordens de homens iníquos? Se eu estou errado nesse raciocínio, os convido, irmãos, a provar o contrário.

 

Até agora, este procedimento tem sido totalmente parcial, inapropriado, falso e injusto. Como uma comissão de apelação, agirão vocês com justiça? Espero sua convocação para uma audiência. Solicito também que me seja concedido tempo suficiente para trazer minhas testemunhas e que seja permitido que elas sejam confrontadas com as testemunhas que desejam testificar contra mim. Favor disponibilizar um horário específico para a reunião durante um fim de semana e comunicá-lo, por escrito, ao meu advogado.

 

Mui sinceramente,

 

[Bill Bowen]

silentlambs

 



Separador

 Página Inicial   Autor   Apresentação   Carta de Dissociação 

 Cartas   Fotos   Notícias   Relatos e Experiências Pessoais 

 Artigos  Livro de visitas   Links p/ outros "sites"

Para me contatar mande uma mensagem para:  paraperp@gmail.com